Darkmoon

(via corvus-s)

(via nocturn-e)

(via nocturn-e)

(Fonte: pixiv.net, via t0tal-eclips3)

Teus olhos, tua boca, tuas palavras,
teus versos poéticos e delicados.

Eu me apaixono por cada parte tua.

Eu me delicio das tuas carícias,
tuas risadas empolgantes,
a nudez sem malícias
do teu carma sossegado,
com um batuque agitado
de um baterista apaixonado.

“É tanta gente falando
de sorte, de corte,
em forte da morte,
na tentativa de me convencer.
É que ninguém sabe do meu segredo
que é sagrado, agregado,
sistematizado, pouco falado,
quase que calado.”

(Fonte: perverie, via wol-f)

(Fonte: i-n-s-i-d--e, via 1mmortal)

“O vinho de suas lamúrias passou a escorrer-te pelas válvulas orbitais de um semblante pacífico de quem nunca brincou de fazer guerra.
Estilhaços de alguém débil por seus ideais, cego por amores passageiros, cínico como sua natureza principal, e romântico… Romântico como o vento que paira meus cabelos no ar, com a simples intenção de tirá-los do meu rosto.
A semente de quem um dia pôs-se a crer no surreal, no derreter de seus relógios sobre um deserto imenso, deixa-se camuflar diante os braços cruzados de quem se acomoda às poucas verdades ditas.
Nada mais verdadeiro que o tempo.”

(via corvus-s)

(Fonte: vxrsace, via s-epulture)

“Deixe-me ler suas borras de café numa manhã nublada, onde nem o sol quer dar as caras ao dia morto.
Nos encontraremos numa esquina qualquer, falaremos de nossas rotinas estressantes e de como nossos cursos estão nos consumindo.
E então no fim da tarde decidiremos nos encontrar novamente. Desta vez, quem sabe um chá?! Nos beijaremos mais pro fim da noite e anos depois teremos um filho de nome qualquer.”

(Fonte: mandysloan, via 1mmortal)